sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Nacional, Benfica e comunicação social

Não costumo falar aqui de futebol, mas vou abrir uma excepção para felicitar o Clube Desportivo Nacional, colectividade da minha terra natal e emblema do coração de três gerações da minha família (por acaso, sou a ovelha ranhosa, já que pendi para o Clube de Futebol União...), pela eliminação do Zenit de São Petersburgo na disputa do acesso à fase de grupos da Liga Europa. Não é por nada, mas o clube russo venceu a Taça UEFA e a Supertaça Europeia há pouco mais de um ano...

O Benfica também se apurou, mas com uma derrota na Ucrânia, em casa de um clube de terceira categoria. Ainda assim, adivinhem quem vai receber todo o destaque na comunicação social portuguesa? Os lampiões, claro... Será incompetência dos jornalistas ou masoquismo dos benfiquistas?

3 comentários:

Nuno Guimas disse...

Quando o FC Porto no caminho para a conquista da Taça UEFA (única do futebol português, aliás) massacrou a Lazio por 4-0, houve um jornal desportivo diário que remeteu a noticia relacionada para uma caixinha minúscula, preferindo dar ênfase a uma entrevista com Simão Sabrosa, então ainda a jogar em Portugal. É portanto uma história antiga que se prende com "targets" de público e com venda de jornais.
Quando se trata de vermelho, qualquer noticia por mais insignificante que possa parecer é logo primeira página.
Parabéns ao Nacional e um grande abraço quer para Macau, que conheci bem nos anos 90, quer para a Madeira, onde tenho familia.

El Comandante disse...

Tens toda a razão no que escreves mas olha para a capa da Bola

http://www.abola.pt/wset/wfotosdia/pagina.html

Estou espantado.

Nuno Lima Bastos disse...

Obrigado a "El Comandante" pela referência à capa d'A Bola. É de espantar, realmente!

E obrigado a Nuno Guimas pela visita, pelas felicitações e pelo amável abraço, que retribuo!

Quanto ao público-alvo e à venda de jornais, eu bem sei que é esse o critério editorial que conduz a estas anormalidades, mas entendo que a seriedade impõe a sua ponderação com outros factores, como o mérito dos assuntos e dos seus protagonistas. Será isto tão difícil de se perceber?