terça-feira, 30 de junho de 2009

Marcha pela democracia

Há doze anos, estive lá, em Central, a acompanhar ao vivo as manifestações públicas associadas à transferência do exercício da soberania de Hong Kong para a República Popular da China. Volvidos todos estes anos, as preocupações dos habitantes da região vizinha em relação à sua muito mitigada democracia mantêm-se. Por isso, amanhã, dia de mais um aniversário do handover, a sua voz far-se-á ouvir novamente nas ruas. À atenção de Macau!

Beijing 'afraid' of big turnout for march

Fanny W.Y. Fung and Ambrose Leung
South China Morning Post
June 30, 2009

Beijing is alarmed about the expected high turnout at tomorrow's march for democracy, which it believes could undermine the authority of Chief Executive Donald Tsang Yam-kuen, the organisers say.

The central government's apparently growing concern comes as more groups, including civil service organisations, have decided to join the march.

At a press conference to mobilise supporters to join the protest, which will start at 3.30pm in Victoria Park, Democratic Party chairman Albert Ho Chun-yan said he felt Beijing officials were worried about the possible high turnout.

"They have been asking around. Just after I openly gave an estimation of 100,000 yesterday [on Sunday], I received a call today," he said, adding that the caller was a "middleman" close to the central government's liaison office. "This year is the 60th anniversary [of the establishment of the People's Republic of China]. They are afraid they will lose face if many people hit the streets."

Mr Ho said his party's district offices had received more calls than in past years from residents inquiring about transport arrangements. The party would arrange buses to transport participants living in remote areas, he said.

One protest organiser said that in recent days, researchers working for the central government had raised concerns about plans by civil service groups to join the march.

"Originally, Beijing tried to play down the turnout by saying the expected large crowd had diverse views. But since so many civil servants are also joining the march, it is starting to fear the implications on the credibility of Donald Tsang's governance," the organiser said.

A mainland researcher assigned by Beijing to gauge the situation in Hong Kong said the central government was concerned, and considered a January protest by the disciplined services and the recent threat of a police march as "destabilising" for Hong Kong society.

As well as several civil service unions affiliated with the Confederation of Trade Unions, which is organising the protest, two postal service unions plan to mobilise hundreds of workers to join the march.

"The government has led the way in exploitation of workers by outsourcing our positions. We have to stop this by marching," said Tse Tin-wing, chairman of the Rights Association of Hong Kong Post Contract Staff.

Legislator Cyd Ho Sau-lan said that as well as livelihood issues, the march was a platform for people to air their democratic aspirations.

"We call on citizens to come out and voice their demands for dual universal suffrage," Ms Ho said.

The Alliance of Lehman Brothers Victims and a group led by former Legislative Council hopeful Philip Li Koi-hop will also organise two separate marches from Victoria Park to the government headquarters tomorrow afternoon. Mr Li's group seeks reforms in the judiciary.

Chief Inspector William Leung Wing-tai of Hong Kong Island traffic police said the force estimated that a total of 90,000 people would join the three marches and it would deploy about 1,000 to 2,000 officers.

Day of action - major events on July 1

8am: Flag-raising ceremony, Golden Bauhinia Square, Wan Chai

8.30am: Government reception, Convention and Exhibition Centre

9.30am: Wan Chai residents' march against Hopewell Centre II development plan, Wu Chung House

10.30am: Parade to celebrate 12th anniversary of handover, Hong Kong Stadium

10.30am: "Pan-democratic parties can't represent me" march, Southorn Playground, Wan Chai

2.30pm: Alliance of Lehman Brothers Victims protest march, Victoria Park

3.30pm: March for democracy, Victoria Park

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Ainda sobre a declaração suína

Depois do que aqui escrevemos sobre a declaração que os serviços da Administração do território estão a exigir aos seus trabalhadores desde o final da semana passada, o Hoje Macau publicou a notícia acima reproduzida e o assunto deverá chegar à Assembleia Legislativa. Esperemos que o bom-senso prevaleça e esta medida peregrina (para não lhe chamar pidesca, como escreveu um leitor deste blogue) seja revogada.

domingo, 28 de junho de 2009

Conselho de roedores

Uma verdadeira pérola da sátira jornalística de Macau, publicada no Ponto Final de 21 de Janeiro de 2000. Já não se escreve humor assim...

sábado, 27 de junho de 2009

O lutador sombra

Shadow boxer
Fernando Chui is the lone contender for Macau chief executive but has yet to win over the people he will govern

Fox Yi Hu
South China Morning Post
June 25, 2009

Macau's big election is like a boxing match destined to end at the starting bell. Beijing's blue-eyed boy, Fernando Chui Sai-on, effectively won the chief executive poll early in the nomination period - before any challenger could step into the ring.

Apart from the fact that the man seen as the only possible challenger decided not to run, Dr Chui, the former culture minister, shut out any other potential opponent by winning over 286 people from the small circle of 300 voters who form the powerful Election Committee.

Whether he has the broad support of Macau people seems totally irrelevant. But the future leader may have underestimated the necessity, and challenge, of winning the battle for the people's hearts.

And if internet comments and Dr Chui's third place in an informal poll are any indication, the challenger who never was, Ho Chio-meng, appears to have the upper hand.

Analysts say Dr Chui faces an uphill task gaining people's support, given their growing concerns about graft and collusion between money and power interests. So far, he has shown little resolve to change a backward political system that is crying out for reform.

Eilo Yu Wing-yat, assistant professor of politics at the University of Macau, said people's grievances had been building up but Dr Chui had not answered them.

"A lot of social discontent is being left to get worse," Professor Yu said. "People fear that illegal acts will continue under a new leadership, and Chui's family background has caused concerns among them."

Dr Chui comes from one of Macau's few ruling clans. His late uncle, Chui Tak-kei, was a staunch Communist Party supporter when Macau was under Portuguese rule. An influential family background is seen as vital to winning over various interest groups in the special administrative region, where power and connections count for a great deal. Gaming mogul Stanley Ho Hung-sun has declared his support for Dr Chui's candidacy.

But a huge corruption scandal has alerted Macau residents to money-power collusion and fuelled social campaigns against "businesspeople ruling Macau" - a play on "Macau people ruling Macau", enshrined in its Basic Law.

In April, former secretary for transport and public works Ao Man-long was jailed for 28-1/2 years on 81 counts of bribe-taking, money laundering and other crimes involving hundreds of millions of patacas.

Dr Chui's links to some of the projects for which Ao took bribes will not help him win over the public. Dr Chui was chief organiser of the East Asian Games held in Macau in 2005. Ao received 50 million patacas in kickbacks from the builder of the Macau Dome stadium, the main venue for the Games. The stadium cost 80 per cent more than budgeted, and the Games, as a whole, were 70 per cent, or 1.4 billion patacas, over budget.

"Chui has said he will fight graft and not favour businesspeople, but he falls short of going into details to convince people," Professor Yu said.

When he declared his candidacy on May 12, Dr Chui said he would answer people's call for clean government, adding: "In future, building a clean administration will be the basis for governance." Asked about the East Asian Games overrun, he admitted to "mistakes and negligence" during his 10 years as culture minister.

An election candidate would normally crave press coverage, but Dr Chui has so far declined all requests for interviews. Even at a press conference to deliver his election manifesto on May 25, he evaded an embarrassing question raised by a Macau resident.

A woman posing as a journalist to bypass identity checks by Dr Chui's election office asked about his family and business background and how his brother's company had acquired a site from the government at a below-market price in 2006.

Dr Chui did not answer and the woman was later sent out by security guards. Later that day, Dr Chui's election office issued a statement saying it reserved the right to take legal action against the woman for her pretence.

On June 16, when he handed in nomination forms to the government, Dr Chui declined to take questions from journalists. He made a short speech announcing his Election Committee nominations. He told a reporter who asked a question to wait until he had finished his speech, but then walked away after concluding it.

Dr Ho is Macau's chief prosecutor and was seen as Dr Chui's main rival until he announced he would not stand. Yet, he appears to have gained the upper hand in the battle for public support. On the city's popular internet forum, cyberctm.com, residents have voiced strong opposition to Dr Chui's candidacy.

Dr Ho also has a huge lead in a continuing internet poll - rendered pointless by Dr Chui's apparent victory - that asks residents to choose among four frontrunners. With 3,889 votes cast so far, Dr Ho has 2,497, or 64.2 per cent; industrialist Ho Iat-seng 545; Dr Chui 460; and Finance Minister Francis Tam Pak-yuen 387.

The poll runs on macauhero.com, an election-themed website created by residents. Its sample is so far the biggest among polls related to Macau's election, with each IP address limited to one vote.

Dr Chui has built his election manifesto around a theme of "inheritance and innovation", but "inheritance" is placed before "innovation" in his speeches.

Political commentator Larry So Man-yum said real reforms would be unlikely under the new leader, who looked set to follow in the footsteps of his former boss, Chief Executive Edmund Ho Hau-wah.

"We have seen little innovation by Chui during his 10 years in office," Professor So, of Macau Polytechnic Institute, said. "It's just not in his personality to innovate."

A source close to Dr Chui said he was a cautious person with a low appetite for risk, and Professor So said Macau's political and economic structures would remain unchanged, at least in Dr Chui's first term, unless Beijing imposed drastic changes.

On May 14, Dr Chui resigned as Macau's culture minister to run. Under Macau law, principal officials are barred from running for chief executive unless they resign before the nomination period.

The sole contender has nearly everything Beijing seems to like in a Macau chief executive. He has more than nine years of ministerial experience and, during that time, has earned a few feathers in his cap. These include Macau's successful application for UN heritage status for its historic sites, and the city's prevention of a severe acute respiratory syndrome outbreak in 2003, when the deadly virus gripped the mainland and Hong Kong.

Beijing has increasingly shown signs of favouring candidates with political experience, especially after businessman Tung Chee-hwa's failure as Hong Kong chief executive.

Dr Chui was born in Macau in January 1957. He received his higher education in the US and is among the best educated of Macau officials. He holds a bachelor's degree from California State University and a master's degree and a PhD in public health from the University of Oklahoma.

Dr Chui served as a Macau legislator from 1992 to 1995 and was appointed secretary for social and cultural affairs in 1999. He has played senior roles in some of the city's charities, including the Tung Sin Tong Charitable Society and the Macau Kiang Wu Hospital Charitable Association.

Professor Yu said Dr Chui still had plenty of time and opportunity to boost his popularity by reaching out to the public and facing up to some difficult questions. "Public speech is one of Chui's weaker points. He's under a lot of pressure to give the public explanations on certain issues."

But if Dr Chui fails to gain public support, the chances are that he will become a lame-duck leader, like Mr Tung, Professor Yu said.

"If there's a lack of popularity, we can't rule out the possibility of a Tung-style fall from power," Professor Yu said, "Macau people are fully aware that there's a Hong Kong precedent for how a local governing crisis can be dealt with [by the central government]."

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Mais do mesmo?

(Ponto Final, 26 de Junho de 2009)

Nota: agradeço ao Bairro do Oriente a referência a estas declarações na sua habitual selecção de «Leituras» da semana.

Turistas em queda

Beijing travel curbs, swine flu blamed for Macau visitor slump

Fox Yi Hu
South China Morning Post
June 26, 2009

The number of mainlanders visiting Macau independently last month fell by half from a year ago, a drop officials attribute to Beijing's travel policies and the swine flu scare.

A total of 791,394 mainland residents visited the city in May, down 26.8 per cent from a year ago, the Statistics and Census Bureau says. Those arriving through the Individual Visit Scheme, which allows travel independent from tour groups, dropped by 50.9 per cent to 316,111.

The bureau said swine flu had affected the total number of visitors last month, which fell 20.4 per cent to 1.59 million, a 17-month low.

Andy Wu Keng-kuong, president of the Travel Industry Council of Macau, said the flu scare was the main reason behind the drop in visitors. He said the number this month would probably remain as low as for May.

But economist and gaming analyst Zeng Zhonglu of Macau Polytechnic Institute said the flu scare was only a minor factor compared with Beijing's travel curbs on mainlanders visiting the city. He added that the shortening of the seven-day May holiday to three days also affected appetite for travel.

"Last May, travel restrictions on individual visitors had not been tightened," Professor Zeng said.

Beijing began to tighten restrictions on mainlanders visiting Macau last June in an apparent effort to stop civil servants gambling away public money.

From June 1 last year, Guangdong residents were restricted to visiting Macau once a month instead of once a fortnight. The travel limit was further tightened to once every two months in July and three months in October.

Since September 1, travellers to Hong Kong have had to get a separate permit to visit Macau.

Guangdong is a major market for Macau's gaming industry, accounting for 70 to 80 per cent of all Individual Visit Scheme travellers.

Beijing never formally announced the travel curbs and the press could only gauge their intensity through information travel agents and travellers provided. The strictness with which the curbs were enforced also seemed to vary from city to city.

This year, the curbs have shown signs of letting up for ordinary Guangdong residents but many civil servants are finding it more difficult to visit.

A government employee in Guangzhou, who declined to be named, said his Macau visits had been limited to once a year and any visit must be approved by his department head. A newly retired civil servant in Shenzhen said that despite his retirement, he was not allowed to visit Macau even once a year.

But some residents in Guangzhou and Zhuhai, who did not work in the government, said they had been given visas about a month apart.

Despite the low number of May visitors, Macau's casino revenue last month seemed to have held up well at 8.8 billion patacas, according to the Portuguese news agency Lusa.

The monthly income figure represents a 10 per cent decline from a year ago. Professor Zeng said the sharp decline in tourist arrivals and the slight contraction in gaming revenue showed that mainland visitors were spending more money on gambling per trip.

"Given the difficulty of coming to Macau, visitors tend to gamble away more money to satisfy their desire for gambling," he said.

Professor Zeng said Macau's VIP gaming market was recovering from the blows of the travel curbs and a credit crunch for junket operators - middlemen who bring in high-rollers and often extend credit to them.

The recovery was partially due to adaptation by high-rollers and junket operators to the travel curbs, he said. "People have gradually adapted and found ways around the restrictions."

Professor Zeng added that the mainland's huge stimulus plan, which pumped liquidity into the market, may have made it easier for gamblers to borrow.

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Antologia da transparência (II)

Nuno Lima Bastos
Jornal Tribuna de Macau
25 de Junho de 2009

A segunda parte desta «Antologia da Transparência» vai fazer como algumas séries televisivas e recuar uns dias em relação ao que escrevi na semana passada. Isto porque, ao revirar o meu arquivo pessoal, encontrei um conjunto de textos relevantes que me haviam escapado quando arranquei com o tema.

A (falta de) transparência da última obra do derradeiro governador de Macau foi destacada logo na primeira peça do Ponto Final sobre o assunto: na capa da edição de 14 de Janeiro de 2000, sob a caixa «A prenda do general», podia ler-se que «cem milhões de patacas, dos dinheiros do jogo, estão na base da criação em Lisboa de uma nova fundação. Chama-se Jorge Álvares e é presidida por Rocha Vieira. Foi tudo acordado numa reunião em segredo no Hotel Mandarin (...). Edmund Ho terá concordado com a iniciativa» (contudo, no número seguinte do então semanário, esclarecia-se que, nessa reunião realizada a 18 de Dezembro, onde haviam sido endereçados os convites para membro do conselho de curadores da nova instituição, «em momento nenhum terá sido afirmado que parte da verba necessária à constituição da Fundação Jorge Álvares provinha do erário público»).

No dia 15 de Janeiro, o Expresso noticiava que a Fundação Jorge Álvares (FJA) nascera «da Liga de Amigos do Centro Científico e Cultural e do Museu de Macau», indo «funcionar num quarto andar do edifício da Av. 5 de Outubro, em Lisboa, onde funcionava a Missão de Macau, cedido para o efeito pelo Executivo da Região Administrativa Especial de Macau liderado por Edmund Ho». Começava aqui, aliás, um conjunto de cerca de três dezenas de notícias do Expresso sobre a matéria, publicadas ao longo dos primeiros meses desse ano, que geraram largas centenas de mensagens dos leitores no seu sítio na Internet, quase todas extremamente críticas em relação ao consulado de Rocha Vieira, num fenómeno de tal dimensão que serviu de base para a tese de pós-graduação do jornalista José Pedro Castanheira, publicada em forma de livro em Novembro de 2004, com o título «No Reino do Anonimato».

A 18 de Janeiro, o caso ganhava destaque na imprensa de Hong Kong, com o The Standard a divulgar que Edmund Ho ordenara à Fundação para a Cooperação e Desenvolvimento de Macau (FCDM) a apresentação de um relatório urgente sobre os cinquenta milhões de patacas «secretamente transferidos para Portugal antes da transferência de soberania». Segundo «uma fonte próxima da FCDM» citada pelo jornal, «a apropriação dos cinquenta milhões de patacas era inicialmente para subsidiar um museu em Portugal para fazer exibições sobre Macau e promover a cultura de Macau. Por vezes, é muito difícil verificar se o uso do dinheiro muda a meio do caminho». O diário acrescentava que a verba fora solicitada em Setembro de 1999 e transferida para o nosso país em Novembro, quando o governo do território e a FCDM eram ainda encabeçados pelo general, tendo este «consignado a verba para criar uma nova fundação em Portugal sob o nome de Fundação Jorge Álvares». Mais à frente, asseverava que «a presidente da Assembleia Legislativa da RAEM, Susana Chou, resignou imediatamente da Fundação Jorge Álvares assim que ouviu as notícias sobre a transferência», declarando que «quando o ex-governador me convidou para integrar o conselho de curadores da sua fundação em Portugal, realçou que era uma operação privada sem um único avo de Macau. Quando soube da transferência do dinheiro, resignei de imediato e telelefonei ao Sr. Vieira para lhe expressar a minha opinião sobre este assunto» (declarações originalmente proferidas ao Va Kio e também citadas pelo Ponto Final e O Clarim de 21 de Janeiro).

Ainda em Hong Kong, o South China Morning Post da mesma data noticiava que Anabela Ritchie, anterior presidente da Assembleia Legislativa, teria dito ao general que «não queria fazer parte do conselho da nova fundação porque discordava do seu financiamento» (volvidos dois dias, o conselho de curadores da FJA, em comunicado enviado à LUSA, justificou esse afastamento com «razões pessoais» e o de Susana Chou com o seu cargo parlamentar).

A 19 de Janeiro, Edmund Ho nomeava uma comissão para analisar o processo do envio dos fundos da FCDM para a FJA, composta pelo juiz Vasco Fong, o advogado e deputado Vong Hin Fai e a contabilista Ho Mei Va. O relatório final deveria estar pronto em 45 dias. Em declarações à imprensa, o Chefe do Executivo demarcava-se do projecto do seu antecessor, afirmando que «todo o processo decorreu antes da transferência da administração (...). Os trabalhos da administração portuguesa não necessitavam da aprovação do Chefe do Executivo da RAEM, que na altura era apenas indigitado (...). Emprestámos provisoriamente e com pagamento de renda as instalações (na Missão de Macau) porque eram um espaço destinado a instituições relacionadas com Macau, mas não se tratou de uma oferta ou de um apoio directo» (O Clarim, 21 de Janeiro).

O jornal Tai Chung, invocando fontes do gabinete do Chefe do Executivo, referia que este «não concorda com o modo como foram obtidos os fundos para a criação da fundação».

Ainda segundo O Clarim de 21 de Janeiro, esta «polémica coloca a comunidade portuguesa residente na incómoda situação de carregar um fardo que lhe não pertence – mais, que repudia – e que confirma a atitude de Rocha Vieira como um governador que pouco ou nada acarinhou os portugueses que aqui permanecerão para trabalhar na RAEM».

No Ponto Final daquele dia, era apresentado o habitual resumo dos ecos da imprensa da semana, onde se podia ler que «ninguém sublinhou o défice democrático que sempre marcou as administrações de Macau e a de Rocha Vieira foi também um mau exemplo» (Eduardo Dâmaso, Público) ou «surpreendentemente, o grande problema de Macau continua a ser o mesmo: a ex-comunidade portuguesa. Não a que ficou, mas a que partiu recusando-se a partir. Ao que parece, não bastaram anos e anos de saque porque a dez dias do fim foi irresistível meter a mão na massa» (Carlos Morais José, Jornal Tribuna de Macau).

O Ponto Final destacava, ainda, que «o Presidente Jorge Sampaio desconhecia o processo de constituição da Fundação Jorge Álvares, liderada por Rocha Vieira. E fontes de Belém dizem-se “chocadas” com o que se passou». Mais à frente, referindo-se ao contacto efectuado com «vários responsáveis políticos em Lisboa», o semanário concluía, pela pena de João Paulo Meneses, haver «um sentimento unânime de condenação: tudo ter sido feito à última hora, sem qualquer informação e transparência e até mesmo sonegando factos (Rocha Vieira, quando confrontado nos últimos dias de governador com o futuro, disse que só pensava no que iria fazer quando chegasse a Lisboa)».

Em editorial, Ricardo Pinto frisava que o ex-governador «tenta agora justificar o injustificável alegando que o seu sucessor teria sido informado de tudo com o máximo detalhe. Mesmo que assim fosse, isso em nada diminuiria a censurabilidade da iniciativa. Quando muito, apenas co-responsabilizaria Edmund Ho num acto condenável. Aparentemente, Rocha Vieira pretende distrair as atenções do essencial. O modo como a fundação foi criada e financiada e o seu aparecimento à frente da respectiva direcção. E nada disso tem desculpa ou faz qualquer tipo de sentido (...). Parece ser hoje inegável que Rocha Vieira não é visto com bons olhos pela população de Macau, bem como por uma grande parte da classe política local».

Na rubrica «Sobe e Desce» do Diário de Notícias de 22 de Janeiro, Rocha Vieira era a única figura premiada com a descida, justificada nestes termos: «as fundações continuam na moda. Político ou empresário que se preze, no fim de uma caminhada ou mesmo a meio, perde-se por uma fundação. O ex-governador também não resistiu. Lembram-se da Fundação Oriente?».

O Público alinhava pelo mesmo diapasão e brindava, igualmente, o general com a descida da semana.

(continua na próxima semana)

Nota: agradeço ao Bairro do Oriente a inclusão desta crónica na sua habitual selecção de «Leituras» da semana.

Declaração suína

Em cumprimento de uma recomendação dos Serviços de Administração e Função Pública (SAFP), os diversos organismos da Administração de Macau estão a emitir ordens de serviço exigindo aos seus trabalhadores que preencham a declaração acima sempre que se desloquem ao exterior, ainda que só por algumas horas, e a entreguem às respectivas chefias.

Como se pode ver, as informações solicitadas incluem detalhes como as horas de partida e de chegada ao território, e até - pasme-se - o motivo da deslocação! Francamente, gostaria que me explicassem o que é que isto tem a ver com a prevenção da gripe suína. Só se for para saberem se o trabalhador vai estar exposto a grandes ajuntamentos populares (espectáculos ou feiras, por exemplo), mas, nesse caso, bastava pedirem que declarasse essas situações, não todo e qualquer motivo de deslocação.

Além disso, se já há um controlo feito pelas autoridades sanitárias competentes à entrada em Macau, que inclui a medição da temperatura corporal e o preenchimento de um formulário próprio, para quê duplicar esse controlo dos movimentos dos cidadãos? Em termos de prevenção da doença, qual o efeito útil da entrega dessa informação às entidades patronais?

Parece-me haver aqui uma nítida e escusada violação do princípio da reserva da intimidade da vida privada do trabalhador, protegido pelo artigo 8.º da nossa «Lei das relações de trabalho» (Lei n.º 7/2008), com a agravante de ser feita por mera ordem de serviço, quando qualquer restrição deste nível teria que ser operada por acto legislativo ou estar nele prevista.

Continuamos a caminhar em areias movediças... Com a aprovação da nova lei do combate à criminalidade informática, são dois passos na direcção errada em menos de uma semana...

Adenda: fui, entretanto, alertado para a possibilidade de a «Lei de prevenção, controlo e tratamento de doenças transmissíveis» (Lei n.º 2/2004) dar suficiente cobertura legal à recomendação dos SAFP atrás referida e às ordens de serviço correspondentemente emitidas, mas consultei o diploma e, salvo melhor opinião, em momento nenhum se permite ali que as entidades patronais (incluindo as do sector público) façam aos seus trabalhadores as exigências específicas ora em causa.

Há, com efeito, um dever genérico de colaboração das pessoas e entidades públicas ou privadas «com as entidades competentes», mas, obviamente, «nos termos legais» (artigo 3.º) e obedecendo «aos princípios da necessidade, proporcionalidade e adequação aos objectivos propostos» (artigo 4.º).

Além disso, as declarações previstas no articulado reportam-se exclusivamente ao estado de saúde das pessoas e são exigíveis apenas à entrada na RAEM (artigo 10.º) ou quando há «conhecimento de pessoas infectadas ou suspeitas de terem contraído doença transmissível» (artigo 13.º).

Silêncios

A propósito do tema das minhas crónicas da semana passada e de hoje no Jornal Tribuna de Macau, vale a pena espreitar estes dois editoriais relativamente recentes do Ponto Final, da autoria de Ricardo Pinto (que nos tem brindado com excelentes textos desde que reassumiu a direcção do jornal).

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Faleceu Nuno Barreto

Faleceu o conceituado pintor Nuno Barreto, antigo residente de Macau. Em jeito de singela homenagem, aqui deixo o endereço do seu Sítio do Imaginário.

Alguns dos seus mais emblemáticos quadros decoram as paredes do restaurante do Clube Militar.

China aperta segredos de Estado

China to amend state secrets law, avoid Internet leaks

Xinhua
June 22, 2009

China's top legislature Monday reviewed for the first time a draft revision to the Law on Guarding State Secrets, underlining the cutoff of Internet or other public network access to the country's confidential information.

The draft revision was submitted to the ninth session of the Standing Committee of the 11th National People's Congress (NPC) for deliberation. It had been discussed and passed in April at an executive meeting of the State Council, the Cabinet.

Xia Yong, head of the National Administration for the Protection of State Secrets (NAPSS), said parts of the existing secrets law had become obsolete.

The current law took effect on May 1, 1989 (*).

"New situations and problems have emerged in guarding state secrets as the country's social and economic development advances rapidly, especially with the introduction and development of information technology and the application of e-government."

The materials to preserve and handle state secrets have changed from paper to acoustic, optical, electronic and magnetic forms, which created the need for corresponding policies, according to the official.

An investigation by the NPC found that the proportion of secret-leaking cases through the Internet accounted for more than 70 percent of the total.

The revision added issues including taking technical measures to protect networks where secret information was stored and fire walling computers or other storage devices containing secret information from public connections.

According to the draft revision, computers and storage devices containing confidential information would not be allowed to be connected to Internet and other public network services.

In cases where no protective measures were adopted, confidential information would be banned from being transmitted through wired and wireless communications, Internet and other public information network services.

Some economic and social organizations' involvement with secrets and the mobility of personnel with access to classified information had increased the difficulty of guarding state secrets and called for improved management measures, said Xia.

The draft revision would minimize the number of people having access to state secrets and set up more scientific secret recognition, rating and termination procedures amid efforts to improve efficiency.

Statistics show the United States generates about 100,000 classified documents annually, while the number in China amounted to several million.

According to the existing law on guarding state secrets, state secrets refer to classified information concerning major policies and decisions of state affairs, national defense and activities of the armed forces, diplomatic activities, national economic and social development, science and technology, activities to safeguard state security and the investigation of crimes, and other items that are classified as state secrets by the state secret protection departments.

In 2004, the Ministry of Foreign Affairs declassified diplomatic documents compiled after the founding of the People's Republic of China in 1949, a pioneering move among government agencies.

In 2005, at a press conference jointly held by the Ministry of Civil Affairs and NAPSS, it was announced that death tolls in natural disasters and related information were no longer considered as state secrets.

Besides the draft revision to the Law on Guarding State Secrets, lawmakers will finish the discussion of a draft revision to the Law on Statistics, the amendments to the Law on State Compensation, and legislation on diplomatic agents and island protection during the NPC meeting, which runs from June 22 to 27.

(*) Durante os protestos de Tiananmen.

terça-feira, 23 de junho de 2009

Camões em Macau (II)

Já está disponível na Internet a continuação do trabalho de investigação do meu amigo Eduardo Ribeiro sobre a presença de Luís Vaz de Camões em Macau. Chama-se «Roteiro Cronológico de Camões no Oriente» e pode ser directamente descarregado em formato pdf aqui ou, em alternativa, a partir do índice do último número da revista electrónica brasileira Labirintos.

O segmento anterior do estudo pode ser encontrado a partir daqui.

Drumbone

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Jantaradas partidárias

Este anúncio dos rosinhas locais publicado na imprensa de língua portuguesa de Macau no passado mês de Abril trouxe-me à memória uma entrevista que o director dos Serviços de Turismo e então presidente da direcção da Casa de Portugal, Eng.º Costa Antunes, deu ao Jornal Tribuna de Macau em Julho de 2003 e que aqui reproduzo parcialmente. As declarações assinaladas a vermelho eram a reacção a um anúncio dos laranjas do território publicado dias antes (ver abaixo), em tudo semelhante ao do PS: um jantar com uma figura nacional do partido que vinha a Macau. No caso do PSD, até se tratava de um membro do governo português da altura. A opinião ainda se manterá?

sábado, 20 de junho de 2009

A Ota e o grupo de Macau

Ainda n'O Bacteriófago, pode ler-se também:

Não contem comigo!

N'O Bacteriófago, de Sérgio de Almeida Correia, advogado e antigo residente de Macau, pode ler-se:

Sampaio, Rocha Vieira e a FJA

Depois de ler este curioso artigo de opinião publicado na edição de ontem do semanário O Clarim, pareceu-me interessante recordar a seguinte peça da LUSA, reproduzida no Jornal de Notícias de 28 de Junho de 2007 (os destaques no texto são meus):

Macau: Jorge Sampaio esteve contra proposta de Rocha Vieira para criação de Fundação - João Gabriel

Lisboa, 28 Junho (Lusa) - Jorge Sampaio nunca concordou com a criação da Fundação Jorge Álvares, proposta pelo último governador de Macau, general Vasco Rocha Vieira, revela João Gabriel, assessor do antigo chefe de Estado, no livro "Confidencial", hoje lançado em Lisboa.

"Desde a primeira hora, Sampaio aconselhou Rocha Vieira a não avançar, pelo menos nos termos em que a iniciativa lhe fora apresentada", salienta João Gabriel.

O ex-assessor de Sampaio refere mesmo que foi "com grande incredulidade que, em Outubro de 1999, foi encarada em Belém a vontade assumida por Rocha Vieira, e transmitida a Sampaio, que apontava no sentido de constituir uma nova Fundação".

"O Presidente que já tinha dado o tema das Fundações por encerrado foi apanhado de surpresa com esta manifestação de vontade do general, ainda para mais quando faltavam dois meses para a cerimónia de transferência", destaca.

Para João Gabriel, o facto de Rocha Vieira ter informado Sampaio da proposta de criação da Fundação a apenas dois meses da passagem de Macau para a soberania chinesa tinha um segundo sentido.

"Habitualmente é sempre assim. Deixamos para o fim os assuntos sobre os quais não estamos seguros ou que, adivinhando dificuldades, apostamos no desgaste do nosso interlocutor, tentando o assentimento gerado pelo cansaço. Mas tal não aconteceu", precisa.

Face à insistência do governador, Sampaio reiterou a sua oposição ao projecto, fundamentando com a existência de "número bastante de fundações em Macau" e por entender que o governador "deveria estar fora dessa iniciativa".

"Mas se insistisse em avançar, recomendou Sampaio, impunha-se que a Fundação que viesse a ser constituída se subordinasse a um controlo político análogo ao da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento, mediante a nomeação pelo primeiro-ministro do Conselho de Administração da Fundação", para além de carecer do "acordo expresso da parte chinesa", acrescenta.

Embora Rocha Vieira tenha concordado com as observações de Jorge Sampaio, o general seguiu em frente.

"Quando a vontade nos consome não há argumentos, por mais sensatos e avisados que sejam, capazes de travar-lhe o ímpeto", escreve João Gabriel.

Apesar das reservas de Sampaio, Rocha Vieira avançou com a criação da Fundação Jorge Álvares, não sem que o antigo Presidente informasse o governador de era seu direito expressar publicamente que nada tinha a ver com o assunto.

"Sabe-se o que se seguiu, a Fundação foi constituída a 14 de Dezembro, num acto quase clandestino de que só se viria a saber pelas notícias publicadas na imprensa, em Janeiro de 2000. Até hoje continua adormecida e sem qualquer difusão do que faz e ao que se dedica", escreve João Gabriel.

O caso da Fundação Jorge Álvares foi talvez o mais importante atrito que marcou as relações entre Jorge Sampaio e Rocha Vieira, o governador de Macau que, segundo confessa João Gabriel, poderia ter sido substituído no cargo no início do mandato presidencial, em 1996.

"Sempre pensei que haveria substituição. A alternativa existia e a oportunidade estava nas mãos de Sampaio", escreve.

O "pudor de Sampaio em nomear um amigo", Magalhães e Silva, recorda João Gabriel, traduziu-se na continuidade de Rocha Vieira.

João Gabriel acredita, aliás, que Sampaio se terá arrependido de não ter trocado o governador.

"Pessoalmente, acredito que se tratou de uma decisão de que Sampaio se arrependeu alguns meses depois", salienta.

Segundo João Gabriel, o governador Rocha Vieira "não era um inocente" e "sempre se preocupou mais em salvaguardar o seu papel na História do que propriamente com o desfecho da história".

"A vaidade é legítima, mas exige seriedade e contenção. Em excesso torna-se irresponsável e perigosa", considera.

No livro, de 391 páginas, João Gabriel faz uma leitura pessoal de acontecimentos e situações que testemunhou ao longo dos dez anos em que assessorou Jorge Sampaio.

No caso de Macau, que abre o capítulo VII "A Realidade Mediática - Macau", João Gabriel revela uma situação que volta a envolver Rocha Vieira.

Trata-se do discurso que Sampaio proferiu em Macau, em 1997, numa deslocação que assinalou a sua primeira visita à China.

"Sampaio cometeu um erro. Não há dúvida", escreve, referindo-se ao caso da omissão das atrocidades indonésias em Timor-Leste, território então ocupado pela Indonésia.

João Gabriel refere-se à omissão de um dos vários parágrafos dedicados a Timor-Leste, num discurso proferido por Sampaio na Universidade de Macau.

Todavia, esclarece, a responsabilidade da omissão de Sampaio é atribuída a Rocha Vieira.

"A cedência, que houve, não foi ao Governo chinês, mas sim ao governador Rocha Vieira que nos instantes que antecederam o início da cerimónia reclamou a Sampaio a supressão daquela passagem", recorda.

Jorge Sampaio, "que sempre foi excessivamente institucionalista e benévolo da boa-fé alheia, acedeu ao pedido, partindo do princípio de que quem estava no território teria uma perspectiva mais adequada do modo e do tempo de agir".

A polémica foi alimentada pela imprensa, que interpretou a omissão de Sampaio como uma cedência aos interesses de Pequim, tendo em conta o peso regional da Indonésia.

Referindo que "há gestos que definem as pessoas", João Gabriel critica Rocha Vieira por ter preferido "ignorar a sua responsabilidade na polémica".

"Tão rápido tinha sido em outras ocasiões a falar à imprensa, preferiu, desta vez, passar entre os pingos da chuva, esquivando-se a envolver-se num caso de que fora autor moral", observa.

João Gabriel reafirma que "a culpa foi de Sampaio", mas enquadra-a na "imprudência de aceitar o pedido" de Rocha Vieira.

"A condenação, porém aos olhos da imprensa, não teve atenuantes. Nem podia, as atenuantes eram desconhecidas e assim ficaram até hoje", remata.

PS: num artigo publicado no Ponto Final de 15 de Janeiro de 2007 (também disponível aqui), pode ler-se o seguinte: «numa entrevista a este jornal, o ex-secretário-adjunto Alarcão Troni confirmou algo que, antes, era uma suspeita: os 100 milhões de patacas entregues por Stanley Ho à FJA não foram um donativo voluntário, mas uma verba paga pela STDM como contrapartida do 10.º casino». O que se chama a isto? Um nome muito feio, que me abstenho de aqui reproduzir...

O partido acima do povo

Mischievous netizens seize on official's careless remark

Kristine Kwok
South China Morning Post
June 20, 2009

A Communist Party official in Henan found himself uncomfortably in the spotlight after his poorly worded comments to a reporter revealed a little bit more of the government's media strategy than he intended.

During an interview about a possibly illegal housing project, Lu Jun , deputy director of the urban planning bureau in Zhengzhou , asked a reporter from China National Radio: "Are you going to speak for the party or for the people?"

The remark immediately drew fire from the mainland's growing league of internet users, and became a hot topic on forums and blogs, with pranks beginning to flood major chat rooms. Most criticised Mr Lu's comment as exposing the logic common among officials that puts the party against - or even before - the people. Some suggested he should be "promoted to party spokesman".

"This director is the first among the party's top leaders, dozens of high-ranking officials and millions of middle-ranking cadres to have spoken the truth," one wrote on popular forum Cat898.com.

Another said: "Even if the people want to sack him, the party would not agree, because what he said clearly demonstrated the relationship between the party and the people."

But the real embarrassment for Mr Lu was only beginning.

Some curious netizens discovered his biography on the Zhengzhou city government website, and his photograph appeared to have been doctored from an image of President Hu Jintao . In the photograph, Mr Lu's posture, hairstyle and outfit were identical to Mr Hu's portrait, but a different face appeared to have been photoshopped on top.

The photograph was apparently withdrawn and his biography no longer bears a picture. An employee from the Zhengzhou Urban Planning Bureau's publicity office refused to comment on the picture and Mr Lu's remark. But he said Mr Lu's work had not been affected.

The photograph inspired artist Ai Weiwei to reproduce a doctored portrait of himself in Mr Hu's suit.

He then juxtaposed the three photographs on his blog.

Within the space of a few days, "who are you going to speak for?" has become one the hippest internet slang terms used by netizens to vent their discontent with authorities and social injustice. The previous two terms that had been seized upon by netizens were "hide and seek" and "doing push-ups".

In the "hide and seek" incident, police in Yunnan said an inmate had died while playing a game of hide and seek. They later bowed to pressure from internet users and admitted that the man was beaten before his death.

The "push-ups" incident involved a girl from Guizhou whose family believe was raped and killed by two young men related to senior officials. Official reports said they were just doing push-ups next to her when she jumped into a river and drowned.

Palm Pre vs. iPhone 3GS


Mais detalhes sobre ambos os modelos podem ser encontrados aqui.

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Déjà vu?

(Ponto Final, 26 de Abril de 2005)

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Antologia da transparência (I)

Nuno Lima Bastos
Jornal Tribuna de Macau
18 de Junho de 2009

Dez anos depois, o último governador de Macau voltou ao território. Vasco Rocha Vieira distribuiu sorrisos e abraços e falou de muitas coisas; entre elas, da malfadada Fundação Jorge Álvares (FJA). Podia ter aproveitado a distância temporal dos factos para fazer um vago mea culpa, por muito arrevesado que fosse. Podia ter pedido desculpa aos compatriotas que aqui ficaram pelo enxovalhamento a que o bom nome do nosso país foi sujeito à conta da sua egoísta criação. Mas não, o senhor general não aprende...

Em vez disso, preferiu aproveitar o ambiente favorável do jantar em sua homenagem no Clube Militar para dizer que «cumpri o meu dever e nunca deixei de dormir por causa da fundação. Não acredito que haja fundações com maior transparência que esta» (Hoje Macau, 15 de Junho).

Pois eu discordo em absoluto e vou explicar porquê, mas de uma forma diferente do habitual nos meus textos. Não com as minhas próprias palavras, mas com os relatos e apreciações de muitos outros actores daquela época: dirigentes políticos, jornalistas, figuras públicas de então e de hoje, daqui e de Portugal, do lado português e do lado chinês. Passou-se uma década; é altura de abrirmos o livro: esta é a primeira de uma série de crónicas sobre a transparência do general e da sua fundação – uma antologia da transparência!

O escândalo rebentou em meados de Janeiro de 2000. A agência LUSA noticiava que Rocha Vieira ia presidir ao conselho de curadores de uma nova instituição sediada em Lisboa, a FJA, financiada com cinquenta milhões de patacas transferidos, escassos dias antes do handover, de uma fundação pública local, a Fundação para a Cooperação e Desenvolvimento de Macau (FCDM), encabeçada até 19 de Dezembro de 1999 pelo próprio ex-governador, por inerência de funções. Outros cinquenta (ou cem?) milhões teriam sido doados pela STDM, de Stanley Ho. O novo cargo seria remunerado com oitenta mil patacas mensais – cerca de dois mil contos, ao câmbio da altura.

O tema teve, como se pode imaginar, imediato e amplo eco na comunicação social de Portugal e de Macau, merecendo, ainda, a atenção dos jornais da vizinha Hong Kong (está, aliás, disponível no meu blogue uma compilação de peças do South China Morning Post sobre isto).

Sucederam-se as notícias e editoriais a vilipendiar os “piratas” portugueses. O Ou Mun publicava um cartoon com o general em cima de um avião, levando um saco de dinheiro às costas e a dizer adeus ao território. No saco, podia ler-se, em chinês, «FDCM» e «cinquenta milhões» (o Ponto Final, então um semanário, reproduziu-o, devidamente traduzido, na sua edição de 28 de Janeiro). Também o South China recorreu aos cartoons, desenhando a famosa imagem de Rocha Vieira com a bandeira ao peito, mas com notas a saltarem dela.

Triste, muito triste, especialmente para aqueles que, como eu, aqui continuavam e eram diariamente confrontados com este achincalhamento da nossa nação. Mas como censurar a indignação generalizada? Afinal, a indignação também era minha, nossa, mas contra quem dera origem a tudo isto; contra o(s) autor(es), não contra os delatores ou os outros indignados. Pelo meio, algum humor lusitano, como os trocadilhos que iam sendo feitos à volta da abreviatura da RAEM: «Realmente Agora Estamos Melhor» ou, num tom mais mordaz, «Rocha Algarvio Está Milionário»...

Em Portugal, o Expresso, que tanto dinheiro recebera em pagamento de cadernos publicitários encomendados pela administração vieirista, acusava, pela mão de Fernando Madrinha: «os factos são os factos! Rocha Vieira, enquanto governador e presidente do Conselho de Curadores de uma fundação em Macau, promoveu ou aprovou a transferência de verbas destinadas a essa fundação para uma outra de que ele mesmo acabaria por se tornar o presidente em Lisboa (...). Custa a crer que o ex-governador não tenha avaliado os riscos deste mau passo em que aparece como parte interessada. E a propósito do qual haveria de se colocar sempre a velha questão do ser e do parecer, independentemente de todo o respeito por leis e formalidades».

Localmente, o chinês Today Macau referia que «Stanley Au, responsável pela fiscalização da Fundação para a Cooperação e Desenvolvimento, disse não ter tido conhecimento da transferência dos cinquenta milhões de patacas».

Já segundo O Clarim, «a polémica vai sobrar para Belém, que aguentou Rocha Vieira a contragosto nos últimos quatro anos do período de transição, provando que Jorge Sampaio continua a ser um homem muito mal informado do que se estava a passar em Macau até 19 de Dezembro último».

João Drago, no Jornal Tribuna de Macau, rematava: «por este andar, o período de quarentena que a comunidade portuguesa, aparentemente, atravessa corre o risco de se prolongar por tempo indeterminado».

(continua na próxima semana)

Nota: agradeço ao Bairro do Oriente a inclusão desta crónica (entretanto, também citada no Bacteriófago) na sua habitual selecção de «Leituras» da semana.

Uma candidatura pela democratização do sistema

(Hoje Macau, 18 de Junho de 2009)

O líder abençoado

Macau's Anointed Leader
The territory doesn't even pretend to have a real election

The Wall Street Journal Asia (*)
Thursday, June 18

While students protest vote-rigging in Iran, in Macau, there's no such democracy fight. In China's special administrative region, there isn't even the pretense of an election.

This week Fernando Chui Sai-on declared himself the sole candidate for Macau's chief executive election. China's state-run news agency confirmed that the former culture minister received 286 nominations from Macau's 300-member election committee, most of whom are either directly appointed by Beijing or have significant ties to it through family or business. A minimum of 50 votes are needed to run for office. So come July 26, the official "election day," the 300 committee members will "vote" with only one name on the ballot.

We have no reason to doubt Mr. Chiu's good intentions. He told a local newspaper Tuesday that "I'll use different channels to listen to people's views and hopefully achieve consensus with Macau residents to ensure Macau's long-term prosperity and stability."

But Mr. Chiu's incentive isn't to listen to the Macanese people because he isn't accountable to them. Macau's chief executive answers primarily to Beijing, operating with few checks or balances from the legislative and judicial branches. The fourth estate, the press, self censors; antidefamation laws discourage citizens from speaking out. The bloggers who ventured to criticize Mr. Chiu when there was still the prospect of other contenders have now fallen silent.

In the past, citizens have made their views heard by heading onto the streets. In 2007 2,000 Macanese deviated from a May Day parade route and protested against illegal workers and corruption. The government sent in riot police, but officials also promised to revise laws and decrease the influx of illegal workers. There is no "mechanism" that Mr. Chiu can "construct" to substitute for free speech and accountable government.

Macau is a far freer place than Iran, and its citizens have more rights. But like Iran, free and fair elections is not one of them.

(*) Os negritos são, naturalmente, da minha responsabilidade.

O escândalo FJA nas capas dos jornais

O Macau Hoje, antecessor do Hoje Macau (parece trocadilho, mas não é), foi responsável por algumas das manchetes mais inflamadas contra a criação da Fundação Jorge Álvares pelo general Rocha Vieira. Estas capas são bem o exemplo disso.

Resultados finais de Macau nas europeias

Estes são os resultados finais apurados pelo consulado de Macau nas eleições europeias do passado dia 7. Este posto consular congrega os votos locais, de Hong Kong, da China, do Japão e da Tailândia, salvo erro.

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Óscares de Bollywood em Macau


O resumo do evento que levou as estrelas do cinema indiano ao Venetian Macau no último fim-de-semana.

terça-feira, 16 de junho de 2009

Cronologia de uma "consciência descansada"...

... ou de um golpe de caserna, consoante as perspectivas. Os textos são do South China Morning Post, com sublinhados meus (clicar nas imagens para ver os artigos em tamanho grande).

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Três pianos


Uma excelente interpretação dos Três Pianos («Traz um amigo também», de Zeca Afonso), que tive o prazer de ver e ouvir ao vivo na passada sexta-feira, no Centro Cultural de Macau.

domingo, 14 de junho de 2009

Hong Kong à noite

Mais um belo conjunto de fotografias do meu colega Rafael Lam.

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Dia de Portugal, de Camões e da "banhada"

Nuno Lima Bastos
Jornal Tribuna de Macau
12 de Junho de 2009

Parece sina: não há 10 em Junho em Macau sem uma valente molha! Este ano, felizmente, a “banhada” não foi total, já que houve bastante mais sobriedade e objectividade nas intervenções públicas do que em anos anteriores. Desde logo, nas diversas alocuções do representante do Governo Português, Fernando Sarrasqueiro, que exibiu um conhecimento de causa e uma sensatez na abordagem dos assuntos a que estávamos pouco habituados. Não veio resolver nada, mas esteve bem na função essencialmente decorativa (sem qualquer sentido pejorativo) que lhe estava reservada.

A Chefe do Executivo em exercício também fez uma agradável prédica na recepção do final da tarde, descontraída quanto baste e com a vantagem de dispensar tradução. Só é pena que a plateia nunca consiga observar um pouco mais de silêncio nesses momentos...

Não parece haver muito mais a dizer sobre este Dia de Portugal. Talvez porque, como escreveu Eça de Queirós e relembrou António Barreto, presidente da comissão organizadora das celebrações, «as festas decretadas, impostas por lei, nunca se tornam populares». É claro que também festejamos o nosso enorme Camões e as nossas comunidades espalhadas pela diáspora – logo, a data é igualmente um tributo aos que aqui vivem ‑, mas há qualquer coisa que falta para tornar o 10 de Junho verdadeiramente especial neste cantinho do mundo.

De resto, falei com diversos compatriotas ao longo do dia e cedo me apercebi do alheamento dominante. Até iriam ao içar da bandeira se não fosse dia de trabalho, mas nada mais.

Aliás, não é verdade que, ainda no último fim-de-semana, menos de duzentas pessoas foram exercer o seu dever cívico nas eleições para o Parlamento Europeu? Seguramente que essa é uma realidade muito distante – basta ver a escassa cobertura que a campanha eleitoral aqui teve ‑, mas não deixa de ser um quase privilégio podermos intervir nesse processo apesar de não vivermos no espaço europeu; privilégio, no entanto, esbanjado por quase todos nós... (num exemplo de sentido contrário, eu e as centenas de milhar de madeirenses espalhados pelos quatro cantos do globo não podemos eleger os deputados à Assembleia Legislativa Regional da Madeira se lá não estivermos recenseados. Fosse-me dada a possibilidade de o fazer a partir daqui e não a enjeitaria, com toda a certeza...).

Julgo que do que precisamos para nos mobilizar e dar a este dia a sua merecida dimensão é de o transformar numa montra de Portugal para toda a população do território; até para tentar aproximar um pouco mais aqueles 115 000 inscritos no consulado do país que lhes reconheceu uma, em qualquer outra paragem, improvável nacionalidade. Neste sentido, há perto de um ano, escrevi: «não seria muito mais interessante e gratificante para todos nós que, em vez de uma recepção aberta no antigo Belavista (ou a par dela), houvesse uma celebração alargada no Largo do Senado, onde fossem dados a conhecer a história, a cultura e os produtos portugueses – incluindo dois dos mais apreciados, a gastronomia e o desporto? Não falo apenas de uma espécie de feira, mas de algo bem mais elaborado: painéis com fotografias do nosso país e informação em várias línguas, um ecrã gigante com vídeos das diferentes regiões do país e dos muitos eventos internacionais que ali têm decorrido na última década (e tenho visto alguns muito bem conseguidos da responsabilidade do Turismo de Portugal, I.P.), balcões de empresas portuguesas e dos seus produtos, um palco onde decorressem iniciativas culturais e intervenções oportunas de representantes do Governo português, etc. Ambicioso? Talvez. Impossível? De modo nenhum! É uma questão de se começar. Se um projecto destes tiver receptividade das autoridades, empresas e associações portuguesas, poderá crescer paulatinamente e assumir-se como um grande evento dentro de poucos anos».

Ainda não foi desta. Talvez não seja nos próximos anos. Algumas estruturas associativas locais bem se têm esforçado em diversas actividades, mas falta qualquer coisa de mais abrangente e mais aberta ao resto de Macau. Tínhamos todos a ganhar com isso. Fica a esperança de que um dia, com governantes de vistas mais largas em Lisboa, lá cheguemos. Aí, sim, o 10 de Junho será um momento alto de Portugal entre nós.

Nota: agradeço ao Bairro do Oriente a divulgação desta crónica na sua habitual rubrica «Leituras».

A podridão do sistema

Macau's Rotten Borough
The future of Hong Kong?

Wall Street Journal Asia (*)
June 12, 2009

When Hong Kong was returned to China in 1997, Beijing promised the territory that its "ultimate aim" would be to select Hong Kong's chief executive through "universal suffrage." Since then, the Hong Kong government has dragged its feet on pushing China to implement this promise. The territory's residents need only to look to nearby Macau to see what could happen if this democratic stall continues.

Macau's "election" for chief executive kicked off last month when Fernando Chui Sai-on, a former culture minister, announced his candidacy. The mainland's official Xinhua News Agency reported in May that the Chinese central government approved Mr. Chui's decision to resign as culture minister, clearing him to seek the chief executive position.

A few fringe candidates, including a practicioner of Chinese medicine and a casino card dealer also collected forms to register for the election, but they are not expected to get the 50 Election Committee nominations needed to become official. The only other politically viable candidate mentioned in the Macanese press is Ho Chio-meng, a prosecutor who recently handled a big graft scandal. Under Macau's election rules, Mr. Ho has until today to throw his hat in the ring. If he doesn't, it will be a one-horse race.

But regardless of the number of candidates, the process is not democratic. Under the territory's mini-constitution, the chief executive is chosen by the 300-member Electoral Committee composed of 24 Beijing appointees, six religious leaders, 16 legislators and 254 members chosen by "special sectors" that represent business interests.

The vote is rigged in favor of Beijing, like the rotten borough system of Great Britain in the 1800s. The 24 China-appointed members tend to vote in line with the wishes of their mainland bosses. The 16 legislators this year don't include either of Macau's two pro-democracy legislators, who are boycotting the vote, saying they will not help legitimize an undemocratic system. That leaves the 254 special-sector appointees, many of whom have business or family ties to Beijing. Macau's 559,846 people have no direct say.

It's hard to know what Macau's citizens think of all this, given that they have almost no public space in which to voice their opinions. Macau's press self-censors in part because a hefty portion of its advertising money comes from the government. The local blogosphere is lighting up with protest, but the territory's anti-defamation law, Article 23, which passed earlier this year, appears to be intimidating many to keep their protests confined to the relative anonymity of cyberspace.

Macau's economy is closely tied to China. The mainland provides the territory with food, water, energy and the flood of tourists it needs to keep its core industry -- gambling -- afloat. Macau's citizens, like Hong Kongers, were promised freedom of speech, association and religion when the territory was handed back to China in 1999.

But Macau wasn't promised one thing that Hong Kong was: universal suffrage. Macau's chief executive election suggests that China has no intention of experimenting with democracy if it isn't bound by law to do so. That is why it is so crucial that Hong Kong take advantage of its legal rights sooner rather than later.

(*) Os negritos são da minha responsabilidade.

Vídeo da vigília por Tiananmen em Hong Kong


Imagens que merecem o nosso respeito. Um povo - o de Hong Kong - que defende a sua liberdade e homenageia os que sofreram e morreram lutando por ela - os manifestantes de há vinte anos, em Pequim. Uma lição para todos nós.

Farol da Guia

Mais um excelente conjunto de fotos de Rafael Lam; desta feita, sobre o icónico Farol da Guia.